Arquivo da categoria: sem categoria

top djs passam virada de ano em alta temperatura em sc

O verão tá bombando em Santa Catarina. Tem muitos DJs faturando alto com gigs em top clubs – Warung, Green Valley e Kiwi são os principais e ficam na rota Praia Brava (Itajaí) e Itapema, na parte central do litoral catarinense. Gui Boratto está se bronzeando por aqui desde a semana passada, que teve médias de temperatura bem altas! Na terça (29/12), Gui toca na festa de 30 anos da top marca de surf Mormaii. A baladinha rola em Garopaba, sul de Santa Catarina. Conforme o site da marca: “no Espaço Mormaii, na beira-mar em Garopaba, cidade onde a Mormaii nasceu e que é sede da empresa.” Bom, né? E como o menino prodígio do selo Kompakt não faz por menos, traz à tiracolo o amigo Michael Mayer, produtor, DJ e sócio do Kompakt. Esse encontro super legal rola na noite do primeiro dia de janeiro, sexta-feira 1/1/2010, no club Warung. Estou super afim de ver essa dobradinha, na verdade estou louco pra ouvir novamente Michael Mayer. Faz uns quatro anos que ele tocou num início de ano no D-Edge e foi uma noite incrível com um cara supersimpático que toca incrivelmente bem. Imagino como será no Warung, naquela sacada virada pra praia e com o nascer do sol! (na foto acima) Depois conto mais sobre essa festinha.

Voltando às centenas de festas que empregam muitos DJs em Santa Catarina… Ontem li na página do Facebook do DJ Daniel Kühnen, residente do Warung, que ele está com todas as noites bookadas nessa semana até depois do começo do ano. Mas ontem aceitou ainda tocar no Kiwi (vizinho do Warung, na Praia Brava) depois de animar a baladinha Sunset (no pôr-do-sol mesmo!), aqui em Florianópolis.

Mas ainda tem um club descoladíssimo pra inaugurar. Dia 16 de janeiro abre o Blue Coast, entre dois costões num local fora da civilização de arranha-céus de Balneário Camboriú. Quem inaugura a pista é a dupla inglesa Layo & Bushwacka!, que ainda roda o Brasil como parte de uma tour pela América do Sul. Nada como sol e calor pra animar um inglês, né? Eles estão lançando o CD-compilação mixada “Shake it Brasil”, em referência à festa que estão fazendo desde que Layo e sócios fecharam o club londrino The End no começo de 2009. O disco sai no Brasil pela ST2 e 3Plus é muito bom!!! Uma trilha ótima de tech house com lances e disco e minimal. Abre muito bem com a faixa ‘Coco Feel and Love Shonky’ do DJ Shonky!

Aqui em Floripa abriu um complexo que inclui os clubs Pacha e Posh, nada que me anima a ir até Jurerê. Tem ainda o The Life, na mesma linha dos citados, e uma filial da The Week que ainda não sei a programação, mas deve incluir muito tribal e fortões sem camisa. Amanhã (terça 29/12) vou conferir (finalmente!!!) o clubinho Jivago, no centro da cidade, que recebe a movimentada festa paulistana Café com Vodka, sucesso do club Sonique promovida pelo blumenauense Edu Hering.

Ah! E o Gui Boratto soltou o single ‘Notation’ pelo selo brasileiro Lo Kik. Na primeira audição não achei muito inspirador. Vou colocá-lo na lista de ‘sons a ouvir’. Tem remixes de Gabe, DaDa Attack e Rafael Noronha & Rê Dupre.

Local onde está sendo construído o club Blue Coast; na foto estrutura do antigo local

Entrada do club Warung, em Itajaí SC

4 Comentários

Arquivado em sem categoria

revistas de graça e com graça

Algumas revistas que andam circulando de graça pela cidade têm me surpreendido com bons textos e imagens. Nessa semana conheci a Nite People, que vem de Milão para São Paulo e será bimestral. O conteúdo traz apenas fotos e intervenções gráficas, e o formato é um charme. Em vez de veicular anúncios, as marcas interessadas participam do “contexto e do conteúdo” da publicação, como a Bacardi que está nas páginas da primeira edição. Editorial e publicidade viram uma coisa só?

nite

Faz algum tempinho que conheci a revista gaúcha Void pelo site, mas finalmente a encontrei fisicamente. A maior parte dos textos é bacana, mas tem momentos mal editados com entrevistas longas e meio chatas. Mas no geral é um bom exemplar de material feito por gente trabalho com gosto.

ai

A revista free que eu mais gosto é a Noize, que tem na música o ponto forte com vários reviews de discos, principalmente de rock e afins. Dá pra ler a revista via site mas vale a pena correr atrás de um exemplar. Belas capas e bom conteúdo.

GRD_795315_noize_25_ideal

3 Comentários

Arquivado em design, fotografia, literatura, Música, mercado, sem categoria

clubbing

@ astronete

@ astronete

@ d-edge

@ d-edge

@ vegas

@ vegas


@ volt

@ volt

1 comentário

Arquivado em sem categoria

LOADING… … …

Amanhã às 18h18 (hora de Brasília) começa a primavera e uma nova etapa aqui no +1teko. Começo a postar sobre música eleltrônica, e coisas afins, com mais constância. Pra começar tenho o disco inédito do Drumagick!

Aguardem!

Imagem004

Deixe um comentário

Arquivado em sem categoria

LOADING… … … …

PRIMAVERA COM +1TEKO!!!

A PARTIR DAS 18H18 DE 22 DE SETEMBRO DE 2009

A primavera começa às 18h18 da terça-feira (22/9). Segundo os meteorologistas, a estação é marcada pela transição entre o inverno e o verão e deve trazer aumento de temperatura e do volume de chuvas.

Foto12

1 comentário

Arquivado em sem categoria

sábado 18/7 > atomik ref. bowie

n128706693205_9

Deixe um comentário

Arquivado em sem categoria

masomenos

A seguir, entrevista exclusiva dada pelo duo Masomenos de Paris e publicada no site http://www.skolbeats.com.br que estou editando pelos próximos dias.

masomenos

Exclusiva! Franceses do Masomenos querem vir ao Brasil

Dupla de produtores e designers acaba de lançar terceiro álbum e fala com exclusividade ao Skolbeats

Ivi Brasil

Em Paris, no número 34 da pequena Rue de Mont-Thabor fica descolada lojinha chamada Masomenos. No comando criativo de toy arts, pins, camisetas, gadgets e músicas eletrônicas está o casal Joan e Adrien (na foto maior). Eles começaram a empreitada musical em 2007, fazendo mixagens e criando bootlegs. A brincadeira de DJ, paralela à carreira de designers, virou negócio sério e o Masomenos já lançou oito EPs e três álbuns por seu próprio selo, Welcome to Masomenos. The Third Eye é o último lançamento que saiu neste mês, e para ler a resenha basta clicar aqui.

Na entrevista exclusiva ao Skol Beats, Joan e Adrien contam um pouco mais sobre o Masomenos, de onde saiu o nome do duo, e como trabalham com design e música num mesmo projeto.

Vocês são primeiro produtores musicais ou designers? Qual é a conexão entre as duas profissões?
Bem, nós temos um background ligado à imagem (design gráfico, AD, filme), mas antes de nos conhecermos cada um já tinha aventiurado pela música.
Joan: Comecei comprando alguns vinis e tocando em algumas festinhas.
Adrien: Eu investi todo o dinheiro que ganhei no meu trabalho como diretor num estúdio. Eu trabalhava com música com o meu colega de quarto, nessa época.
Então nós nos encontramos e finalmente começou o lance de colocar nossas imagens e sons juntos sob o nome Masomenos.

Quando e por que vocês começaram a trabalhar juntos? É mais fácil do que sozinho?
Estamos juntos há mais de cinco anos, consideramos que é tão difícil trabalhar sozinho quanto em dupla. Apesar de tudo chegarmos a um bom resultado, e nós dois sabemos que estamos fazendo o melhor.

The Third Eye é o novo lançamento do Masomenos, vocês têm quantos discos lançados? Eles seguem a mesma linha musical?
Fizemos três CDs. O primeiro chamou-se Bon Voyage e era mais uma compilação/bootleg/álbum. O segundo foi o Masomenos Live Mix, e o terceiro é este The Third Eye. Esses dois últimos são álbuns. Em todos os três temos mantido essa idéia para que seja mixado, por isso são como uma viagem musical, e isso se encaixa melhor com o formato. Também lançamos em vinil os discos Live Mix e The Third Eye. É um material mais de DJ, onde você tem todas as faixas na íntegra, e nós também gostamos do objeto, [o disco de vinil]. Cada projeto de álbum é diferente, mas com certeza vamos continuar a nossa sintonia musical.

Vocês identificam com a música de selos franceses como Kitsuné, Ed Banger, FCom ou outro? Por quê?
Na verdade não. Mas um paralelo com Kitsuné poderia ser feito facilmente, porque também temos a nossa loja e o nosso selo. Quanto ao Ed Banger, definitivamente não temos o mesmo tipo de som. Mas eles fazem uma boa combinação de som e imagem.

Por que usam um nome espanhol – Masomenos – e o porquê deste nome?
Nós estávamos voltando de uma viagem ao México, onde eles usam esta expressão “masomenos” o tempo todo. A palavra ficou em loop nas nossas cabeças e quando voltamos pra casa fizemos um brainstorming para encontrar um nome para um projeto que íamos fazer em equipe. O engraçado é que na Espanha escrevem “mas o menos”, e isso significa realmente mais ou menos [o que a dupla não sabia].Mas na América Latina é uma palavra só, uma expressão muito usada para dar algumas nuances de uma idéia.

Planos de vir ao Brasil?
Basta propor e nos mandamos pro aeroporto! Temos muitas férias pra gastar ainda e ficaríamos realmente muito animados de poder tocar no Brasil!

Deixe um comentário

Arquivado em sem categoria