papo sério: aborto e “church drive thru”

Continua rendendo muitos acessos o texto “After Maria Cheia de Graça”, aqui do +1teko, sobre os after hours. Não sei se tem muita gente querendo saber sobre o Panorama Bar, me Berlim, antes de viajar ou se estão interessados em saber sobre o segundo fim do after Hell’s Club ou ainda sobre a lotação que o after Paradise tem conseguido nos últimos tempos. Mas enfim, obrigado pelos cliques – continuem assim! – e para essa quinta-feira fria e úmida (em São Paulo) o papo é mais sério.

Comecei lendo os editoriais da Folha da S.Paulo e me deparei com texto de Eliane Catanhêde sobre legalização do aborto. Ontem havia lido sobre os dados levantados pelo Instituto do Coração sobre cirurgias. A jornalista da Folha coloca a questão do aborto relacionada a essa pesquisa, que comprovou que foram feitas 3,1 milhões de curetagens pós-aborto no Brasil entre 1995 e 2007. Como a curetagem é feita apenas depois de abortos intencionais e que em abortos expontâneos não há necessidade do procedimento, leva-se a entender que as mulheres não respeitam a lei que criminaliza o aborto no país. Hipocrisia do governo e das igrejas acharem que não se deve descriminalizar o aborto e dar assistência médica e psicológica às mulheres que interropem gravidez indesejada.

Destaco parte do texto da Folha: “Por mais que José Serra e Dilma Rousseff sejam favoráveis à descriminalização, ao contrário da evangélica Marina Silva, eles não admitem, pois o que vale não é o avanço do debate, mas o pragmatismo e o… voto. Não querem se indispor com o forte eleitorado conservador da sociedade, muito menos com setores religiosos que têm cada vez mais poder financeiro, midiático e sobre os votos dos seus rebanhos.” O texto cita Ana Costa, sanitarista, doutora em ciências da saúde e autora do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher: “A clandestinidade atinge a ambas, pobres e ricas, mas o risco de adoecer ou morrer fica na conta das pobres. E são milhares que passam por essa situação, caracterizando mesmo um problema para a saúde pública. Por isso a necessidade de legalizar para garantir o direito de as mulheres sobreviverem ao aborto, adotado como uma solução terminal para uma gravidez indesejada”. O editorial de Eliane Catanhêde termina com: “O aborto é uma questão pública, o SUS é um serviço público, Serra e Dilma disputam o principal cargo público do país. Têm o dever de assumir uma posição clara e firme.”

Minha amiga grávida Emy Pimenta comentou e complementou sobre o assunto no facebook: “o Serra pra mim tá sepultadíssimo. Na propaganda ele anunciou “parto agendado” acessível para todas!!!! O cara foi ministro da saúde e acha cesárea lindo? Senão bastasse a estupidez ainda é mais caro para o dinheirinho público, quer dizer, sai do nosso bolsinho. Está cientificamente provado que a capacidade de amar se desenvolve nas primeiras horas após o parto no contato entre mãe e bebê. Após uma cesárea, não tem a menor chance deste contato acontecer. Quanto mais cesáreas em uma sociedade, mais violência, menos civilidade, menos amor… Para se criar mais bons sujeitos, não basta os pais serem bacanas. Para uma sociedade melhor, para mais amor neste mundo, só começando pelo começo, com mais partos normais e naturais! Precisa falar que o Brasil é o campeão mundial no índice de cesáreas?”

Fecho com comentário no facebook do amigo Fabio Lusvarghi: “Acho que a gente tá é lascado com qualquer um desses três (Serra, Dilma e Marina).”

* * *

Drive thru da oração em São Paulo: bênção em 5 minutos

Fast grace – Que tal rezar pra ver se a situação do país melhora? Não tem tempo de ir à igreja? Não tem problema, agora a Igreja Universal lançou o sistema “drive thru” para os sem tempo para orar. Nessa fast church, o motorista entra, pede uma bênção ou oração para afligir seus pecados ou um apoio espiritual de emergência que é dado por um pastor, que faz a oração, entrega um folheto com horários dos cultos e faz um pedido de oferta à igreja. “Coisa de cinco minutos”, como descreve o blog Paulopes Weblog que tem publicidades cristãs, como da coreana The New Life Mission e da capixaba Escola de Teologia do Espírito Santo. Matéria semelhante foi publicada hoje (15/7) no JB Online e outros blogs e sites evangélicos ou não. Procurei no site Arca Universal, da Igreja Universal do Reino de Deus, fonte dos sites que citei, mas o mecanismo de busca sempre retorna sem achar nada. Por que será?

Ficou interessado? O drive thru funciona diariamente na Vila Mariana, na zona sul de São Paulo, na rua Domingos de Moraes que tem sempre grandes congestionamentos principalmente no fim do dia. O atendimento passará a ser durante todo o dia a partir da próxima semana. O pastor Osvaldo Volpini disse que se inspirou em serviço semelhante à disposição dos fiéis de Universal em Houston, nos Estados Unidos. O site Arca Universal diz que até mesmo motociclistas e pedestres têm usado o serviço rápido e conta o caso de uma costureira que depois de passar no drive thru, receber a bênção e pagar a oferenda recebeu o pagamento de todos os seus devedores. Como dizia o saudoso Jack Palance: Acredite, se quiser!

Assista a seguir vídeo do site Terra TV sobre o drive thru da oração e oferta:

3 Comentários

Arquivado em cidade, religião, saúde

3 Respostas para “papo sério: aborto e “church drive thru”

  1. Pingback: Tweets that mention papo sério: aborto e “church drive thru” « +1teko -- Topsy.com

  2. Caro colega: agradeço a citação e o link para o Paulopes Weblog porque a maioria dos blogueiros que reproduz os meus textos ou que se serve deles como argumentação não dá crédito algum. O FairShare me faz um rastreamento diário, e foi ele que me trouxe aqui.

    Quanto ao fato de haver lá “publicidades cristãs”, creio que você sabe que tais anúncios são publicados por um algoritmo do Google que faz uma associação entre os temas dos textos com os produtos dos anunciantes. Trata-se, como se sabe, do pulo de gato do Google.

    Assim, como meu blog se propõe a divulgar informações sobre religião, é natural que lá existam “publicidades cristãs”.

    Não tenho nada contra porque respeito as religiões (mas não muitas das práticas dos religiosos), embora eu seja um sem religião.

    Abs.

    • Oi Paulo.
      Como jornalista sei que tenho de respeitar e citar as fontes, uma prática que a maioria dos blogueiros desconhece ou faz que desconhece.

      Sobre a publicidade cristã eu não tenho nada contra, apenas perguntei sobre ela porque notei que tem outros textos sobre a Universal em seu blog.

      Abs, Ivi

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s