Arquivo do mês: abril 2010

neoconcretismo e surrealismo em são paulo

Metaesquema de Hélio Oiticica

Duas belas exposições na Avenida Paulista – o neoconcretismo de Hélio Oiticica e o surrealismo de Max Ernst. Os trabalhos do brasileiro estão expostos no Itaú Cultural em bela montagem que inclui os famosos Metaesquemas – bi e tridimensionais, instalações, filmes, bólides e mais uma série de trabalhos e documentações. O título dessa mostra – Museu é o Mundo – coloca no cerne da questão artística a transformação da pintura em mundo real, o extravasamento do plano do quadro para a tridimensionalidade até chegar à cor pura (nos bólides) e ao movimento corporal (parangolés). Para Oiticica a realidade é arte; favelas, vielas, samba, prostitutas, cocaína, floresta, música, pobreza, mídia, corpo, carnaval, tudo pode ser e é arte. São quase 120 obras expostas em 3 andares do Itaú Cultural, com entrada gratuita. Encerra dia 23 de maio.

A exposição do Max Ernst está no MASP – nas terças é de graça!!! “Uma Semana de Bondade” é composta de 184 colagens que pertencem ao colecionador frnacês Daniel Fillipacchi, que a conservou nos últimos 70 anos e agora chega ao Brasil pela primeira – e provavelmente última – vez.  Obras em papel se deterioram muito rapidamente e precisam ficar “paradas” o máximo possível. A coleção é divida pelos dias da semana. Nas colagens Ernst afastou-se da concepção bíblica, criando seu próprio Gênesis: o Domingo surrealista, por exemplo, é recheado de orgias, violência, blasfêmia e morte. No blog Leituras do Favre tem uma explicação bem detalhada da obra e várias imagens.

************

E continua ainda hoje a promoção +1teko e Iódice Denim!!! Vamos dar um jeans da nova coleção Iódice Denim pra responder direitinho as perguntas abaixo.

1. Para onde a Iódice Denim levará uma pessoa de atitude?

2. Por que você acha que a sua verdade pode mudar o mundo?

A frase mais criativa e que tiver o destino correto, ganhará o jeans! Para conhecer o destino é só entrar no site da campanha Sua Verdade Pode Mudar o Mundo, e lá ainda dá pra concorrer a uma viagem pro Amazonas!

No sábado 30/4 eu dou o resultado aqui. Boa sorte!

6 Comentários

Arquivado em artes plásticas, Moda

manaus – uma ilha urbana na floresta

Rio Solimões, no estado do Amazonas. 2008

Em agosto de 2008 fui a Manaus trabalhar na campanha política e pude conferir as belezas e mazelas daquela capital-ilha cercada de floresta. A exuberância do Rio Negro e da Floresta Amazônica constrasta com aquela capital de 2milhões de habitantes, que como em boa parte do país sofrem com trânsito caótico, poluição, ocupação desorganizada, favelas, tráfico de drogas e tantos outros. O governo do Amazonas ao incentivar o turismo na região deveria aproveitar e [ter vergonha na casa!] fornecer água potável encanada para as periferias de Manaus. Fiquei assustado com o grande número de casas sem água encanada e tratada, se não me engano cerca de 30% da população!!! Isso que Manaus está à beira do maior rio do mundo!

Talvez essa verdade possa mudar o mundo amazônico pra melhor.

Mas uma das melhores coisas de Manaus é a gastronomia. Tem tapiocas pra todos os gostos, sorvetes deliociosos feitos com frutas da região (açaí, cajá, umbu, tapioca, cupuaçu…), diversos peixes saborosos e o democrático caboclinho – pão francês com queijo coalho e tucumã – servido quente ou frio!!!

Tucumã é esse 'coquinho' carnudo delicioso

Um endereço chic em Manaus, que confirmei com Alex Atala que disse adorar a comida e o lugar, é o Bistrô Ananã. O lugar fica perdido no centro histórico da cidade e é bom consultar o mapa ou pegar um táxi pra chegar lá. O restaurante moderninho tem um jardim grande com mesas e muitas árvores, e o salão está instalado numa construção mais moderna com janelas redondas. Comidinhas contemporâneas feitas com produtos da floresta!!! Comi um (ou seria uma?) voulevan de camarão com jambu – a erva que dá uma adormecida na boca – muito bom e também tem pratos com peixes como pirarucu e tucunaré, e uns pãezinhos com castanhas-do-pará… hummmmmmm

Bistrô Ananã, cozinha amazônica contemporânea

Também recomendo o restaurante Açaí & Cia (Rua Acre, 98 – Conj. Vieiralves) que é um ambiente rústico, todo aberto e com teto de palha. Tem muitas receitas deliciosas de peixes e frutos regionais. Sugiro o pirarucu de casaca, um dos pratos manauaras mais pedidos e conhecidos. No horário de pico das refeições o restaurante fica impossível e tem de ter certa paciência com o atendimento, mas vale muito a pena.

************

Por falar em Manaus e Amazônia, a Iódice Denim tá com uma promoção cultural bem bacana no site da campanha Sua Verdade Pode Mudar o Mundo. Vai lá ver! De repente você usa as dicas que dei acima!

E o +1teko e a Iódice Denim querem te dar uma calça jeans super transada! Para concorrer, responda no comentário desse post as seguintes perguntas:

1. Para onde a Iódice Denim levará uma pessoa de atitude?

2. Por que você acha que a sua verdade pode mudar o mundo?

A frase mais criativa e que tiver o destino correto, ganhará o jeans! Para conhecer o destino é só entrar no site da campanha Sua Verdade Pode Mudar o Mundo.

Sexta-feira 29/4 eu dou o resultado aqui. Boa sorte!

4 Comentários

Arquivado em ecologia, gastronomia, Moda

o jeans que te leva pra floresta

Como eu avisei semana passada, durante os próximos dias rola concurso aqui no +1teko. O prêmio é uma calça jeans Iódice Denim a quem  responder tudo certinho. Mas antes da pergunta, copiei um texto da Wikipedia pra nos dar uma luz sobre o que é denim.

Denim é um tipo de tecido de algodão em que somente os fios do urdume (longitudinal) são tingidos com corante índigo, normalmente com ligamento sarja. É a matéria-prima para a fabricação de artigos jeans. A palavra Denim surgiu na França no Século XVII a partir da expressão serje de Nîmes, em referência à cidade do sul do país, e destinava-se a um tecido de algodão bastante rústico usado pelos trabalhadores da época.

Para concorrer a calça jeans Iódice Denim é bem fácil, responda no comentário desse post as seguintes perguntas:

1. Para onde a Iódice Denim levará uma pessoa de atitude?

2. Por que você acha que a sua verdade pode mudar o mundo?

A frase mais criativa e que tiver o destino correto, ganhará o concurso +1teko! Para conhecer o destino é só entrar no site da campanha Sua Verdade Pode Mudar o Mundo, que também tem um concurso bem bacana que pode te levar pra uma viagem pelas florestas tropicais! Se joga!

Sexta-feira 29/4 eu dou o resultado aqui. Boa sorte!

11 Comentários

Arquivado em mercado, Moda

hard ton; “selfish”; gigolo

Texto publicado originalmente na revista Mixmag #4.

Mamma mia! Drag disco club italiana!

O que aconteceria se a drag queen Divine fosse capturada por um disco voador e retorna-se hoje, na moderna Itália? A resposta é Hard Ton, que se define uma Divine ou “a maior disco queen do século 21”. Ela confessa adorara Grace Jones (nessa capa ele imita Grace em ‘Island Life’), Giorgio Moroder  e Chelones R. Jones entre outros bons da house. No final do ano passado, DJ Hell deu o toque aqui pra Mixmag e agora o Gigolo lança ‘Selfish’. O ótimo disco com três faixas foi criado pelo produtor Oliver Ton e inúmeras máquinas velhas e novas. Hard Ton costuma animar as noites gays de Bolonha a Veneza cantando em falsete, como Silvester, e lascando na ítalo. ‘Forever No More’ lembra Pet Shop Boys e Culture Club, na voz à la Boy George, e a música fica entre o deep pop e a disco com aroma oitentista. Hit total! ‘Selfish’ é viajante, uma clássica dance disco, e ‘Earthquake’ flerta com um eletrão de baixo gordo com vocais bem diva e muitos efeitos sintéticos.

* * * * *

5 Comentários

Arquivado em jornalismo, lançamento, Música

prins thomas; “prins thomas”; full pupp

Texto publicado originalmente na edição número 4 da revista Mixmag. O texto é meu, mas está assinado incorretamente na revista por outra pessoa.

A saga viking nas galáxias da dance music

Prins Thomas voa alto com experiências cósmicas no primeiro álbum

Restringir Prins Thomas a tal cosmic-disco é reduzir significantemente sua potência e ecletismo. O produtor norueguês já provou e comprovou que seus exercícios musicais em centenas de remixes vão às raias do experimentalismo. Neste álbum-debut, ouvem-se ecos de Ry Cooder, Kiss, Bowie, jazz, Cramps e música clássica, uma mistureba que catequizou Prins e agora desemboca nestas curiosas sete faixas. Impossível classificar, impossível resistir a uma audição cuidadosa. Dá até para arriscar que Prins é daquela vertente escandinava que pode englobar Björk, Lindstrom e ABBA até o cinema do Dogma 95 e a arquitetura de Alvar Aalto. Um requinte gélido, sem arestas, do qual emana um calor interno, comedido e explosivo ao mesmo tempo.

As músicas vão correndo calmamente, com belos arranjos e variações cheias de bossa. O disco começa com climas bem orgânicos, bateria e violão em destaque no groove de ‘Uggebugg’. O tom sombrio e sintético marca ‘Slangemusikk’ e desaparece em ‘Sauerkraut’ (que tem Todd Terje tocando clavinete). Em ‘Wendy Not Walter’, Prins pega a veia dance e nos presenteia com uma levada cool, que tem Lindstrom no keyboard e Todd Terje no trumpete! Nada de muita bombação e euforia na pista de dança, mas é aqui que a gente pira e se joga de cabeça nesse caleidoscópio nórdico. Dia 29 de março nas melhores casas do ramo.

* * * * *

Ouça duas faixas aqui. “Slangemusikk” é bem experimental. Nattonsket tem uma pegada cosmic disco.

1 comentário

Arquivado em jornalismo, lançamento, Música

mixhell; “mixhell”; 3plus / st2

Texto publicado originalmente na revista Mixmag n˚5 que está nas bancas.

A mistura bombada entre céu e inferno

O trio MixHell chega com seu primeiro álbum. Não é bem um álbum, mas uma compilação mixada que vem com seis faixas do grupo ou remixes delas e outras tantas de expoentes da linha maximal/mash-up e adjacências. Entre os enfileirados nesse disco potente (saído do inferno?) estão amigos queridos do casal Iggor Cavalera e Laima Leyton, como Crookers, Brodinski, Houratron, Diplo, Boys Noize e NASA. Mas… ficou na dúvida sobre a palavra “trio”? Pois é, quem dá as caras são Iggor e Laima e na sala de justiça fica o produtor Max Blum, famoso por inúmeras trilhas de desfiles de moda. É ele o cara que aperta os botões e dá o acabamento. Aliás, a trinca se prepara agora para remixar uma faixa do Prodigy, a convite de Liam Howllet. E em abril colhem os louros por um remix encomendado por Moby, que deve chamá-los para abrir algum dos shows da turnê ‘Wait For Me’ que passa por aqui em abril.

MixHell, o disco – ‘Intro’ dá o toque funk carioca-samba do crioulo doido, mas o disco corre pro techno rápido com vontade de ser trance. O liquidificador maximalista despedaça tudo – techno, electro, rock, efeitos, trance, funk carioca, Miami bass… – e reaglutina numa vitamina forte, pesada e rápida. O sabor brazuca é o berimbau sambando no remix de Brodinski para ‘Highly Explicit’. Aliás, esse é o melhor dos três remixes dessa faixa presentes no disco. O mix energético fica mais palatável e deep no meio do caminho com ‘Boom Da’ (MixHell) e pela inédita e grandiosa ‘What Up Yall!’ (Crookers); retorna ao funk-max-house já na faixa ‘Joga Bola’ do gringo Solo (ou The Drunk Solo) com letras em português num misto de samba e funk carioca. E a viagem vai em hi-nrg, com muita quebradeira, synths absurdos, cuts, muita percussão, mais vocais em português – “bate com a bunda no chão e vai!” – até dar uma baixada na poeira. Na parte final, o CD só se salva pela última faixa, um remix classudo do MixHell pra ‘Beyond God and Elvis’ do From Monuments to Masses – grave, elegante e cheirando a pós-punk.
* * * *

Laima e Iggor; Max nunca aparece, né?

1 comentário

Arquivado em lançamento, Música

meu aniversário; teu presente

No domingo é meu aniversário e eu dou o presente! Tenho uma surpresa na semana que vem – terei um brinde bem bacana pra dar aqui entre os leitores do +1teko!

Se liga!!!

1 comentário

Arquivado em mercado, Moda

glocal – “fancy romance” – unreleased

Na terça à noite, véspera de feriado, Lennox e Dani acabaram apostando todas as fichas numa home studio section. O resultado é a faixa “Fancy Romance”, que não tem destino certo. Ainda! Ao meu ver, essa faixa mostra que a dupla está cada vez mais afiada nas produções musicais. Buscam referências em diversas fontes – disco, soul, house, funk… Ainda falta um elemento mais techno/electro… Sei lá! Viagem minha! “Fancy Romance” está mesmo muito boa! Ouçam! Dancem!

Na semana que vem, eles são os convidados na festa kiriDJinha 5, lá no Volt. Apareçam!

1 comentário

Arquivado em lançamento, Música, web radio

ygor marotta aka vj suave @ volta! kiridjinha @ bar volt

Grafite de Ygor Marotta

A reunião das festas Volta! – do DJ Spavieri, e kiriDJinha – do DJ Atum e minha, vai levar ao bar Volt o VJ Ygor Marotta. É a primeira vez que o bar de neons tem projeção. Ygor circula com seus vídeos, pinturas e desenhos entre São Paulo e Buenos Aires. Na capital portenha, ele costuma mostrar seus vídeos nos clubs Crobar e Cocoliche. Ygor é o autor da frase “mais amor por favor”, estampada em diversos lugares de São Paulo e que ganhou espaço em seus vídeos.

Os vídeos e performances do projeto VJ Suave estão aqui no Vimeo e no site oficial dele. [Alguém sabe como carregar vídeos do Vimeo no WordPress???] Leia a seguir entrevista de Ygor Marotta, e apareça no bar Volt (rua Haddock Lobo, 40) a partir das 20h30 desta terça-feira (20/4) para conferir a perfromance do VJ na reunião especial das festas Volta! e kiriDJinha.

1- Quando e como nasceu essa paixão pelas imagens?
YM- Recente, comecei a me interessar por “imagens” quando iniciei em 2004 a curso de design gráfico na FAAP, e quando me formei comecei a me interessar por arte, ilustração e outras vertentes.

2- Você prefere desenhar, pintar ou criar vídeos? Por quê?
Gosto de fazer vj pra colorir e alegrar a pista. Gosto de pintar tela pelo valor emocional que  ela me passa. Peço amor usando a pixação pra passar adiante uma mensagem para a grande metrópole. Um completa o outro, o pixo entrou pra balada, animado quadro a quadro e dando vida à frase que pede “mais amor por favor”, o coelho do sketchbook agora dança e pede um up pra galera da pista, e assim vai.

3- Como VJ Suave que tipo de trabalho você faz? É mais conceitual, experimental?
VJs Suave é um projeto de 2 pessoas. Trabalho pessoal meu e da minha argentina Ceci Soloaga. Nós discutimos uma idéia, eu desenho, ela anima e tocamos juntos em live set. O projeto é sem dúvida experimental, já que nasceu em janeiro de 2010 com a intenção de ser um trabalho divertido, livre e prazeroso de ser feito.

4- Qual tipo de música você curte para tocar, para projetar em cima, para escutar em casa?
Caí de paraquedas como DJ na festa do Volt, nunca discotequei, mas gosto bastante de música e sempre busco coisas novas. Gosto de eletrônico, idm, minimal e ouço bastante Bonobo, Air, Four Tet, Apparat, Dave Brubeck, Lali Puna, Radiohead, Monotax, entre outros.

5- Quais os DJs mais bacanas que você trabalhou junto projetando imagens? Por quê?
VJs Suave é um grande parceiro do selo de música eletrônica argentino chamado Igloo Rec.  Grande parte dos artistas do selo são nossos amigos e eles compõem música por amor. Quando dividimos a cabine, a projeção se une muito à música, criando – pessoalmente falando – uma peça audiovisual momentânea em harmonia.

1 comentário

Arquivado em sem categoria

volta! kiriDJinha @ volt

**Volta! kiriDJinha**

As duas festinhas mais animadas do bar Volt se unem na véspera do feriado de Tiradentes para noitada com muita música e gente animada. Os DJs-promoters Spavieri, Atum e Ivi Brasil recebem o VJ Ygor Marotta, que vai projetar seus vídeos e tocar um set especial.

Menu musical: house, rock, pop, disco, eletro, synth pop, trilhas de novelas

A partir das 21h

Entrada FREE

Volt – rua Haddock Lobo, 40
http://www.barvolt.com.br

1 comentário

Arquivado em cidade, club, Música