seth troxler -> entrevista exclusiva + cd mixhell + kiriDJinha

Seth Troxler dá uma passada no D-Edge. Foto: Fábio Tavares

Seth Troxler passou uma semana no Brasil, foi a primeira visita do americano ao país. Na sexta-feira (19/2) ele aterrissou em São Paulo para apresentação no club Hot Hot. O set dele teve muitos bons momentos e alguns com pouco punchy, mas conseguiu levantar a pista cheia com uma mistura de tech house e minimal techno basicamente. Seth respondeu algumas perguntas, que seguem abaixo, e antes de tocar no Hot Hot e depois no táxi indo pro D-Edge ele se mostrou um cara muito engraçado e aberto, e surpreso com a qualidade dos clubs paulistanos.

Seth Troxler deixou Chicago e está vivendo em Berlim, a seguir ele fala da mudança e um pouco mais.

+1teko -Por que é tão importante hoje em dia cruzar o Atlântico e estar em Berlim?
Seth Troxler – É sempre importante trazer e levar idéias, é assim que cena global é criada. Todo o mundo está em Berlim, mas a cena de Berlim não é o que era. E de certa maneira eu acho que Londres é o novo lugar. É tudo mais fresco, há muitos novos produtores realmente entusiasmados e que sabem muito sobre dance music, e realmente querem fazer algo cool. O tempo em que os caras de Berlim eram jovens e entusiasmaram ao fazer algo novo está um pouco no passado, hoje eles têm carreiras consagradas, e existe mais de um centro [musical] agora.

+1teko – Você acha que a sua música (DJ set e produções) estaria diferente se você estivesse nos EUA ainda?
Seth Troxler – Acho que a música que você faz ou toca depende de onde você é e está. Toco diferente em cada cidade, e a música que eu faço vem de minha disposição e experiências. Se estivesse vivendo aqui [no Brasil] minha música seria diferente também.

+1teko – Onde você vai pegar novas referências para a sua vida? Que pistas pretende seguir?
Seth Troxler – Acabo de me enamorar um pouco, então essa é uma pista que estou tentando seguir.

Vale a pena lembrar que foi lançado hoje (22/2) o CD Boogybytes Vol.5 mixado por Seth Troxler para o selo BPitch Control. Troxler costuma lançar pelos ótimos selos Ghosthly International, Wagon Repair e Crosstown Rebels. Você pode encontrá-lo no Myspace ou mais facilmente no FaceBook.

Seth Troxler no Hot Hot. Foto: Lucas Satti.

* * *

Iggor Cavalera e Laima Leyton em ação no bar secreto

Antes de me jogar no Hot Hot, que estava bem cheio, passei no bar secreto para conferir o lançamento do primeiro CD do MixHell. Laima, Iggor e Max Blum estavam lá recebendo os amigos e Laima me contou que estava superfeliz porque Liam Howlett, cérebro produtor do Prodigy, havia enviado algumas tracks pra eles escolherem e remixarem. Tá bom, né? Mas antes disso a dupla, que na verdade é trio, remixou uma faixa do Moby, com quem Iggor vem conversando para o MixHell abrir algum show da turnê do americano que passa pelo Brasil em abril. O CD do MixHell é uma compilação mixada de faixas inéditas e outras mais antigas que a dupla vem tocando com sucesso pelo mundo. Afinal, li na DJ Mag brazuca, edição de dezembro 2009,  que eles ficaram apenas 20 dias em casa aqui no Brasil, o restante foi só viagem. As músicas do disco passeiam pelos sons altos do maximal com levadas de berimbau, samba e outras sonoridades. Tudo muito bem produzido pelo Max, que é o cara que dá o toque especial nas produções do MixHell. Iggor disse que cada vez mais vem colocando a bateria acústica nas novas produções e que no final do ano devem lançar um álbum só com faixas novas. Já estamos esperando. Pra saber mais sobre o CD do MixHell aguarde a Mixmag que sai dia 15 de março.

* * *

Amanhã (23/2) tem festinha nova que eu e Atum inventamos de fazer no bar Volt, como vocês podem perceber pelo flyer acima. kiriDJinha é uma gozação que todo mundo fala pros amigos e amigas, uma bichice qualquer, mas um afago não um xoxo. Quer dizer, pode até virar xoxo… Mas não é o caso, tanto que convidamos o não menos famoso DJ Mau Mau, kiridjinha nossa de longa data, pra inaugurar a festinha. Na verdade as festas no Volt são um esquenta, uma happy hour que começa às 21h (o bar abre às 20h) para amigas/os kiridjinhas se colocarem nos drinks e partir pra outros lugares mais tarde. A ideia musical dessa festa – uma coisa bem difícil de inventar atualmente porque parece que já fizeram de tudo nesse mundinho noturno – é colocar o DJ convidado para tocar coisas do tipo que ele canta no banheiro, ouve no i-pod ou no rádio. Estou louco pra saber o que Mau Mau vai levar no case! Vamos tocar com discos de vinil!

O drink da noite é Red Razz (Bacardi razz, suco de limão, framboesa e suco de cramberry) a R$13. Não paga nada pra entrar no Volt e a festa deve acabar por volta da 1h/1h30. A próxima kiriDJinha a levar suas preciosidades é Renato Cohen, mas ainda não tenho a data fechada.

2 Comentários

Arquivado em club, lançamento, Música

2 Respostas para “seth troxler -> entrevista exclusiva + cd mixhell + kiriDJinha

  1. ida

    num fui. fui no vegas. perdi, né?

  2. Perdi o Troxler do Garage. =/ A galera falou que ele deu um show a parte!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s