Arquivo do mês: novembro 2009

mimi >> ‘shouting / at total control ep’ – tupy rec

***Texto publicado originalmente na revista Mixmag #2, em (quase) todas as bancas.

Duas faixas essenciais pra bombar no verão

Essas duas faixas muito bem produzidas pelo DJ paulistano Mimi mostram como a house music tem crescido – em apuro de produção – no país. ‘At Total Control’ faz uma linha mais deep e dançante, baixo pulsante e elementos dando um molho na linha reta das batidas. Daí Mimi passa a uma pegada mais rápida em ‘Shouting’, que tem um sample de vozes que faz toda a diferença. O vocal francês retirada da música ‘Patachou de Paris’ (1963), da cantora Chez Patachou, vai se repetindo e dando um ritmo delicioso para a pista de dança. A faixa tem tudo para ser um hit de verão nas pistas brasileiras, e esperamos que siga para pistas internacionais também. O EP sai pelo selo Tupy, sediado em Belo Horizonte, que tem por trás o top produtor Xerxes (aka XRS) que masterizou as faixas. Tá esperando o quê pra se jogar?!

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em jornalismo, lançamento, Música

fast forward > stop play moon @ mixmag #2

**Texto originalmente publicado na revista Mixmag 2 que está nas bancas.

Stop Play Moon, um nome fácil assim e sem qualquer significado. Stop Play Moon, uma fonte sonora de deliciosas melodias com perfume oitentista, vocais doces, beats eletrônicos, pegada rock’n’roll e experimentações. Um hype (com conteúdo) instalado no underground paulistano há dois anos. Stop Play Moon agora alça voos mais altos e o disco de début sai no começo do ano que vem pelas mãos do produtor Plínio Profeta, que tem um Grammy na estante pelo disco ‘Falange Canibal’ de Lenine e também produz os astros da nova MPB. Stop Play Moon não é exatamente música popular brasileira, mas um acúmulo de referências cantadas em inglês. Uma dica: não perca tempo, corra pra internet e sinta o frescor da banda paulista em músicas como ‘Hey’, ‘Stranger’, ‘Faking Faces’ e ‘Dancefloor’.

No final de outubro encontrei a banda nos bastidores da MTV. Ainda sem videoclipe, Stop Play Moon foi à emissora se apresentar ao vivo. Entre pausas de passagem de som, maquiagem, cigarro na padaria da esquina e o reencontro com o produtor Miranda (que iria gravar o primeiro disco do SPM, mas as agendas não batiam), o trio não parava de comentar sobre a apresentação no Oi Fashion Rocks, no Rio, durante o desfile de Alexandre Herchcovitch. “Quando a gente subiu no palco parecia que estávamos na Disney, num outro mundo”, Ricardo Athayde ainda estava estupefato do show no festival. “O  mais incrível foi ouvir a passagem de som da Grace Jones, e foi o melhor show”, Geanine Marques não escondia o deslumbre com a musa pop. “Foi muito foda”, Paulo Bega era taxativo. E eles sabem muito bem conjugar música e moda, afinal se conheceram no mundinho fashion e viraram amigos por causa da música.

Geanine Marques cantou em parcerias com Drumagick, Mamelo Sound System, Mad Zoo e Apollo 9; tem feito shows com o 3naMassa, projeto de Rica Amabis, Dengue e Pupilo (estes dois da Nação Zumbi); e até cantou acompanhada de orquestra! Mas todo mundo a conhece como a modelo-musa de Alexandre Herchcovitch. Paulo é fotógrafo de moda, sempre teve suas bandinhas de rock, adora pós-punk e sons como The Fall, The Cure, Nick Cave e o obscuro Rema-Rema. Ricardo Athayde vem do clã Favela Chic, de Paris, sempre se dividindo como designer e DJ, com queda por MPB e rock. De volta a São Paulo, ele estreou no finado e bafônico club Xingu e hoje embala o Bar Secreto, aquele onde Madonna se jogou em Jesus Luz. Em 2008 a banda se apresentou em Paris e Londres e por aqui tem sido escalada para festivais e para abrir alguns shows de gringos (Vive La Fête, The Golden Filter).

“Começamos ensaiando na sala de casa e hoje temos nos falado e trabalhado mais pela internet”, conta Paulo (guitarra e sintetizador). Mas atualmente eles têm passado temporadas gravando no estúdio de Plínio Profeta, no Rio. “Ficamos desplugados de São Paulo e do corre-corre, o estúdio do Plínio fica numa casa linda na Lagoa e ele tem dado uns toques ótimos”, diz Ricardo (bateria e teclados). Sobre as letras, Geanine conta que geralmente  escreve em cima do que o Paulo envia pra ela. “Às vezes é só um beat, ou com uma guitarra, um baixo, e isso também é bem instigante e sugestivo. Não sei se tem algo mais marcante nas minhas letras. Uma letra às vezes traduz um momento real ou não”, revela a cantora. “Gravaremos o álbum com o melhor do que já tínhamos pré-gravado e mais algum material novo. Sairá entre janeiro e fevereiro e algumas faixas logo serão remixadas por DJs e produtores, que ainda não estão escalados”, anuncia Ricardo. “A gente vai lançar o disco de forma independente mesmo, e colocar as músicas pra download free”, finaliza Paulo como boa cria da música sem barreiras via web.

E é bom ficar de olhos e ouvidos bem abertos porque Stop Play Moon tem bons contatos mundo afora. No começo desse ano, a banda foi apresentada ao selo novaiorquino DFA que por enquanto não se pronunciou. É bom o DFA ficar esperto porque Ricardo já anuncia que “o canal [com o selo DFA] continua aberto, mas agora estamos em contato com outros selos”. Então tá! A gente fica aguardando.

Mais sobre Stop Play Moon você leu aqui e também viu um vídeo aqui, e ainda tem esse post aqui.

3 Comentários

Arquivado em Música, Moda, televisão

sem título

Canção nova da banda Stop Play Moon. O título não me passaram. Mas é muito linda! O vídeo foi gravado numa apresentação recente em Curitiba. Na revista Mixmag 2 que saiu semana passada, tem matéria minha com a banda. Lá eles contam sobre o festival Oi Fashion Rocks – onde ficaram babando pela Grace Jones – e a gravação do primeiro álbum que deve estar pronto entre janeiro e fevereiro. Com vocês, Stop Play Moon!

3 Comentários

Arquivado em lançamento, Música, vídeo

allien, ellen

I’m excited about Ellen Allien tonite in São Paulo. Sim! Já nos preparativos pra me jogar na noite, passei por aqui porque estou ouvindo umas faixas que a Ellen recomenda no seu chart de novembro. Já estou imaginando o que ela vai aprontar hoje no D-Edge!… Com abertura do DJ MauMau, com certeza a nata clubber paulistana estará lá pra conferir mais uma apresentação da DJ alemã. Dá pra lembrar dos sets incríveis no after Paradise e numa noitada absurda no Susi em Transe! O fino do techno hoje em São Paulo!

Deixe um comentário

Arquivado em club, Música

ladrões de rebolado

6211cace87106d7cb39ed6fc31f9fa3b

Uma boa surpresa! Fresquinha! DJ Julião me chamou no msn agora há pouco pra apresentar seu novo projeto – Booty Thievez, que ele traduz como “ladrões de rebolado”.  Nessa empreitada no estilo baltimore club, difundido por DJ Diplo, Julião tem como companheiro o DJ Diego Abunai, parte do projeto 2D Crew do artista plástico Ronaldo Inc. Eles andam baixando vídeos do Youtube e fazem uma colagem animada dos áudios desses vídeos com batidas fortes e dançantes que lembram o grime inglês, o electrofunk novaiorquino, um hip hop eletrificado à la Afrika Bambaataa, beats de funk carioca e samples de bandas e cantores pop. “Tem muita colagem. Haja neurônio pra montar tudo isso!”, me conta Julião. O som dos Booty Thievez é um mash up diferente do de projetos como Database e Killer on the Dancefloor, que tem mais a ver com a linha francesa dessas remisturas como o que sai dos selos Ed Banger e Kitsuné.

O set que estou ouvindo agora, Julião e Diego gravaram com 4 toca-discos conectados em seus laptopts via Serato e está no Myspace da dupla. A gravação rolou ontem (domingo 15/11/2009). Produção própria só a partir de janeiro e eles já têm contrato com o selo norte-americano Electrobounce, de Detroit, pros lançamentos. Aliás, o Electrobounce é do DJ Godfather e já lançou tracks de outro projeto de Julião, o 609 (escrevi uma nota na última DJ Mag sobre o projeto), que tem pegada mais ghetto tech. Bom, acho melhor vocês irem lá ouvir que dá pra entender melhor.

pankdacorreto_11

1 comentário

Arquivado em Música

barriga verde

floripa03

As pontes novas e a velha ponte Hercílio Luz, em Florianópolis

Floripa continua linda! Sol e mar pra gente se esbaldar. Mas eu prometo que vou procurar lugares underground por aqui… sabe-se lá onde, mas vou tentar e conto aqui depois. Só não vale Jurerê internacional e buatinha gay do centro porque nem a Lady Gaga vai lá. Me falaram de um tal de Jivago, vou dar uma olhada…

1 comentário

Arquivado em cidade, club