nova música – thiago pethit

ESCREVI ESTE TEXTO ORIGINALMENTE PARA O SITE VIRGULA, COMO MEU ÚLTIMO TRABALHO PARA O SITE. A ENTREVISTA COM O SIMPÁTICO THIAGO PETHIT ROLOU HOJE PELA MANHÃ POR TELEFONE. VOU HOJE CONFERIR OS DONS MUSICAIS DELE NO STUDIO SP – E A ENTRADA É GRATUITA!

Foto: Gui Mohallem

O cantor Thiago Pethit / Foto: Gui Mohallem

O compositor, cantor e ator Thiago Pethit é uma das jovens revelações artísticas que desde o ano passado tomou de assalto o circuito alternativo (ou indie). Em blogs, sites, casas de shows e no boca a boca, o jovem de 26 anos ganhou fama em São Paulo com suas belas canções que misturam desde rock até folk e MPB. Com o EP Em Outro Lugar e o single Fuga No 1 lançados de forma independente e com ajuda da internet, Thiago Pethit faz hoje (29/4) seu último show no Studio SP, em São Paulo, com as participações da cantora carioca Sílvia Machete e o música paulistano Dudu Tsuda.

Thiago Pethit conversou com o Vírgula e contou um pouco mais sobre a carreira, a divulgação das músicas, as parcerias musicais e a guinada ao trocar o teatro pela música.

Vírgula – O EP Em Outro Lugar saiu no fim do ano passado, antes disso o que você fazia?
Thiago Pethit – Antes de gravar eu trabalhava como ator. Foram quase 10 anos em uma companhia de teatro. Nessa época eu já escrevia muito e compunha muito, mas não usava isso pra nada. Conheci a cantora Tiê e o músico Dudu Tsuda que tinham o show Cabaret que misturava músicas deles com encenação, e eles me chamaram pra dirigir esse espetáculo. Daí de repente eu já estava fazendo cenário, costurando cortinas e tudo mais. Depois comecei a cantar em algumas músicas e vierei personagem do Cabaret e comecei a sacar que o que eu queria fazer estava mais ali que no teatro.

Vírgula – Você é jovem, pensa em voltar ao teatro?
Thiago Pethit – Sempre quis ser ator, era algo muito determiando na minha cabeça. Foi muito forte e brusco mudar pra música. Abandonei um grupo, estava ganhando dinheiro com teatro, o que é bastante difícil, mas não penso em voltar.

Vírgula – Em Outro Lugar saiu em quais formatos? Como você encara a internet para a música?
Thiago Pethit – Lancei o EP em CD, mas logo disponibilizei as músicas na internet porque adoro internet. Fiz mil cópias do disco e já vendeu mais da metade. Acho que consegui vender bastate CDs. Os CDs podem ser comprados depois do shows, na Livraria Cultura que já me pediu mais cópias, e também na loja Teu é o Mundo [al. Tietê 43, loja 12]. Em Outro Lugar saiu em outubro do ano passado, em dezembro lancei o single Fuga No 1 que foi lançado apenas como digital, não quis queimar em CD. Estou fazendo trabalho de formiguinha na divulgação, toda semana mando as músicas e textos para blogs de pessoas jovens que curtem o meu som e para alguns jornalistas blogueiros. Daí combinei com essas pessoas e disponibilizei as músicas nos blogs delas para serem lançadas num determinado dia. Eu acredito na internet.

Virgula – Como você escolhe os artistas que participam dos seus shows, já que você faz um trabalho bastante autoral e sozinho?
Thiago Pethit – Sempre chamo pessoas que admiro muito, porque tenho um trabalho muito solitário de compor e cantar, mesmo acompanhado de uma banda. E tenho que tomar conta de todo o resto como artista independente. Entao é muito bom quando consigo pessoas que têm outro olhar sobre o que faço. O Maurício Fleuey[Telepatique, Multiplex], por exemplo, foi muito importante quando comecei meu trabalho porque tínhamos ideias muito diferentes, e no fim me pareceu que ele entendia mais do meu trabalho do que eu. No meu trabalho solitário é bom ter esse olhar de fora, por isso chamei pessoas de áreas diferentes, como o Hélio Flanders [Vanguart] que não tem nada a ver com a Tulipa Ruiz [Pochete Set], por exemplo. Isso é pra dizer que o meu trabalho é plaural, que a minha música não é só folk, rock, tango, cabaré, chanson. É tudo isso, mas ainda é diferente.

Vírgula – Depois deste último show no Studio SP hoje, o que você está planejando?
Thiago Pethit – Estou querendo marcar shows fora de São Paulo, depois quero voltar ao Studio SP e tem umas novidades que ainda não posso contar.

Vírgula – Como começou o teu interesse pela música?
Thiago Pethit – Comecei a ouvir música muito cedo, sempre muito interessado pelo cinema. Eu era cinéfilo quando criança, com 10 anos ficava em casa assistindo a filmes. Um dia me toquei que sabia tudo sobre a 2a Guerra Mundial porque já tinha visto muitos filmes da década de 1940. Tem muitas coisas de muitas épocas que me influenciam: Nino Rota, Mutantes, música eletrônica, rock… Adoro ir nas quartas na festa Funhell [no clube de rock Funhouse], na festa Crew [nos clubes eletrônicos D-Edge e Vegas]. Adoraria ser um cantor de pista, mas minha música não tem muito a ver. Quem sabe um dia…

Virgula – Os jovens hoje querem ser DJs ou ainda ter uma banda de rock. Com influências tão diferentes desse universo, você não está fora do eixo?
Thiago Pethit – Estou nadando contra a corrente, mas às vezes também é gostoso deixar a corrente te levar. Por isso gosta de experimentar.

Links:
Thiago Pethit no Myspace
Site do Thiago Pethit

Serviço:
Thiago Pethit no Cedo e Sentado
Studio SP – Rua Augusta, 591
Quarta-feira 29/4, às 21h
Grátis

Deixe um comentário

Arquivado em Música

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s