Das Leben der Anderen

f_daslebenm_4c7cd6f1.jpgEu ainda não comecei minhas aulas de alemão, mas ontem assisti ao filme Das Leben der Anderen (A Vida dos Outros). A trama se passa na antiga Berlim Oriental, uma história de espiões da Stasi (a polícia comunista de mentes) e do romance entre uma atriz e um escritor no final dos anos 70 e anos 80, até terminar com a queda do Muro do Berlim. Mas o que mais me impressionou foi sacar que o big-brother naquele tempo-espaço era a Stasi, mas não foi com o fim do comunismo que ficamos livres para ir e fazer o que quisermos. O sistema capitalista também tem suas formas de aliciamento e vigilância, como via internet (que já nos cadastrou pra saber desde o número do nosso cartão de crédito até a cor do nosso cocô). A história continua como tão bem contada no livro “1984” por George Orwell, tão atual. Já o big-brother global… pelamor!!! Tô preferindo o Fantasia lá no sbt.  

* * * * * * *

A exposição Os Cinéticos, no Instituto Tomie Ohtake, é muito boa, apesar de ter sentido falta de mais obras de Palatnik e Jesús Soto, mas… no mesmo lugar tive uma ótima surpresa com a expo Conversas, parte da última Bienal do Mercosul. Aqui em São Paulo são apresentadas quatro salas das nove originalmente exibidas em Porto Alegre no ano passado. Cada sala tem um artista escolhido pelo curador da mostra, e daí esse artista escolhe outros três para expor juntos, tramando um diálogo muito bom. Na sala do Waltércio Caldas, por exemplo, estão pendurados uns poucos fios de lã no teto criando linhas de um desenho não acabado no espaço, a instalação chama-se “O ar mais próximo”; lá ouve-se duas músicas bem minimalista de Steve Reich; lá também estão pequenas pinturas concretistas de Milton Dacosta e o “Cubo de nylon” de Jesús Soto que dá aquela sensação boa de estranhamento da imaterialidade de seus trabalhos que ganham mobilidade com o nosso andar. Aliás, uma obra como esta deveria estar na outra exposição, né? Mas não vou aqui descrever cada sala porque é um pouco demais pra minha paciência, de qualquer forma vale muito a visita. Tem um vídeo de uma performance na Guatemala, “Guarda-costas” de Alejandro Paz, no qual um segurança é contratado para proteger um mendigo pelas ruas que é muuuuuito bom!

* * * * * * 

Já a exposição em homenagem a Niemeyer no Memorial da América Latina era decepcinante. Já saiu de cartaz! Aquele lugar é tão árido que  nem uma exposição para seu criador é boa e relevante. Uma pena… Aliás, não soube de nenhuma boa e expressiva exposição em homenagem ao centenário arquiteto. Ainda bem que ele tá cagando pra essas homenagens. 

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em artes plásticas, cinema

2 Respostas para “Das Leben der Anderen

  1. eu tô cagando pra esse monte de exposição, exposição hoje só celebridade queridinha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s